Meu primeiro salário – um estudo de caso

Meu primeiro salário

Um estudo de caso

Vou compartilhar com vocês o caso da coachee mais jovem que atendi, vou chama-la de Francisca para preservar sua identidade. Quando eu a atendi ainda estava no último ano da graduação de ciências biológicas, ainda não recebia salário, mas recebia uma mesada dos pais pois fazia faculdade em outra cidade. Apesar de parecer uma vida tranquila, sua preocupação era aprender sobre educação financeira e não ficar dependente dos pais quando começasse a trabalhar. Além do dinheiro que recebia dela ela e sua mãe vendiam buquês de flores, para ter uma renda extra que ela obtinha de suas vendas.

Quando iniciamos a nossa carreira e começamos a receber nosso primeiro salário, é comum querer gasta-lo todo com aquilo que não podíamos comprar antes. E todas as vontades acumuladas, parecem difíceis de serem vencidas.

Quando um cliente me procura para o Coaching de Finanças preocupado com o futuro, partimos do controle do seu orçamento, pois qualquer mudança na vida financeira, antes é necessário informações para a tomada de decisão. Quando você anota todos os seus ganhos e gastos, os números começam a dizer como é seu relacionamento com seu dinheiro. A partir dessa consciência você opta por mudar seu comportamento ou não. 

No caso de Francisca, além do controle do orçamento para entender o quanto precisaria de renda para seus custos básicos, ela conseguiu perceber uma série de oportunidades para valorizar mais o seu dinheiro, refletindo na real necessidade e prioridade da compra e encontrando alternativas mais econômicas. Desenhamos também seu plano de metas, entendendo o quanto precisaria de renda para alcançar seus sonhos e o que precisaria fazer para incluir no seu orçamento e investir para acelerar a conquista dos resultados.

Assim que terminamos o processo, Francisca conseguiu um estágio e também enxergar qual o caminho que ela queria seguir assim que começasse a receber seu salário, mesmo que, pela idade, tivesse muito tempo para poupar, chegou a conclusão que queria começar a poupar e investir logo, meu acompanhamento com ela terminou e um ano depois, ela me mandou mensagem dizendo que fez o seu primeiro investimento do Tesouro Direto. Imaginem a minha alegria por ela já ter conseguido começar.

Se você acredita que é tarde demais, pode usar o exemplo da Francisca que ainda não tinha seu próprio salário e já pensava em se organizar financeiramente. Nunca é cedo ou tarde para começar, quanto mais você adia a mudança financeira que você quer na sua vida, mais dinheiro você perde.

Esse foi o feedback dela no final do processo: “Aprendi a ter controle da minha receita e despesas, e me preparar com uma reserva para desafios e imprevistos financeiros. Ainda quero aprender mais sobre investimentos e saber diferenciar com mais naturalidade uma boa oportunidade. Me ajudou muito a enfrentar a ansiedade em relação à vida adulta e à busca por emprego. Controle de gastos e ganhos  foi a lição que absorvi mais rápido e que vejo como uma ferramenta essencial para o desenvolvimento financeiro. Pensar antes de comprar; analisar as oportunidades e ofertas da concorrência; focar nas metas.”

O processo dela traduz o que costumo em ver em todos os meus clientes, a renda é um dos fatores para seu sucesso financeiro. Cuide também da forma que você se relaciona com seu dinheiro. 

#vamosProsperar

Facebook
LinkedIn
Twitter
Google+
Email

Coaching de Finanças

com Ana Rodrigues

Compartilhe esse conteúdo

X